Som da semana: Funke'n'stein - That's Funk!!

Tuesday, August 28, 2007

CFT - um mundo mágico (relato 2º e 3º turnos)

C.F.T. Colónia de Férias da Torreira (turnos de infantis) , apesar de aqui também haver turnos com idosos, acolhimentos (deficientes), juvenis (adolescente) e maternais.
Para quem não sabe, esta é uma das muitas colónias de férias do país, mas certamente a mais especial e mágica de todas. Fica localizada na Torreira, perto de Estarreja – Ovar, e ocupa um espaço gigantesco entre a ria de Aveiro e o Mar, daí possuir um microclima muito peculiar. Ocupa uma extensa área toda vedada, e um caminho directo à praia, exclusivamente para os utentes desta colónia. São vários os espaços que fazem as delícias das crianças: a piscina, das favoritas; o campo de futebol; a pista de atletismo; as tabelas de basquetebol; uma mata onde as crianças dão largas à imaginação; um parque infantil bastante atractivo; um refeitório com todas as condições e muita alegria, especialmente nos aniversários. Entre outros, há uma enfermaria com atendimento especializado e muita dedicação às crianças, monitores e funcionários; uma lojinha de brinquedos; um bar de convívio para aliviar nos momentos de stress; uma secretaria que funciona como o cérebro de toda a colónia e os 2 pavilhões, masculino e feminino, o local de descanso dos guerreiros e onde se desenvolvem muitas actividades durante os 10 dias de cada turno. Nos pavilhões existem camaratas onde todos dormem e onde as crianças criam laços de amizade formando uma “família” durante a sua estadia. Lá dentro as actividades são variadas: aulas de educação física para manter a forma e gastar as energias da malta; sessões de cinema com um projector em tela gigante; sessões de karaoke para a animar a malta; salas de expressão plástica; multiusos; biblioteca; camarim com adereços e fantasias; e uma das actividades mais animadas – a C.F.T. Disco. Aqui a malta liberta toda a sua energia e vibra com toda a animação. É um espaço para descontrair, quer para crianças, quer para os monitores. Só quem aqui trabalha conhece o desgaste físico e psicológico a que estamos sujeitos. Mas no final é sempre muito gratificante. Aquilo que cada um dá, recebe a triplicar!
Comecei por afirmar que esta colónia é mágica. É mesmo verdade. Durante o tempo que cá passamos, somos completamente absorvidos. Recomendo esta experiência, mas para quem vier que venha com a convicção de que tudo o que fizer é em prol das crianças. Elas são a principal razão do nosso trabalho!
Esta colónia faz parte da Fundação Bissaya Barreto, e encontra-se sob a tutela da Segurança Social, daí que a maioria das crianças venham de ambientes familiares muito desfavorecidos ou de instituições de acolhimento. São casos gravíssimos que nos chegam às mãos, muitas vezes nas suas curtas vidas há mais sofrimento do que se possa imaginar. É nossa missão transmitir-lhes segurança, carinho e hábitos que não possuem. Saem daqui crianças mais felizes e válidas. Aqui dentro o ambiente é intenso e os sentimentos ampliam-se sem darmos por isso. As relações estreitam a um ritmo alucinante e os momentos de stress têm que ser ponderados constantemente. No último dia, o regresso. Lágrimas de tristeza e alegria, sempre com a esperança de aqui voltar. Os amigos que fazemos são o tesouro desta colónia, muitos deles para toda a vida. A partilha deste “segredo” torna-nos cúmplices e identifica-nos como uma grande família. Só quem por cá passou, com o espírito necessário, sabe do que estou a falar. Sempre que saio, vou mais rico, mais forte e mais confiante para a vida. Tudo serve para aprendermos. Com os colegas de grupo, por mais diferentes que sejam, partilhamos ideias, experiências, e formas de estar na vida. Respeita-se a diferença e no final saímos unidos. Com a equipa de animação aprendem-se regras, métodos, formas de intervenção, diversão e cooperação; e no final somos todos iguais. Com as crianças ficamos surpreendidos. Algumas ensinam-nos coisas para a vida, aquelas que sabemos que existem mas desvalorizamos. Vou dar um exemplo: num dos dias de praia, vi um miúdo de joelhos na areia com lágrimas nos olhos. Perguntei-lhe o que se passava. Não quis responder. Voltei a insistir e disse-me: “- A única coisa que faço bem é estar sozinho a chorar sem ninguém à minha volta! Ninguém brinca comigo…” Então disse-lhe que viesse comigo que iríamos arranjar alguém com quem brincar. Mas antes de se levantar, pegou um punhado de areia, estendeu a mão com a palma para cima abrindo-a de seguida e disse-me olhando nos olhos, enquanto a areia começava a cair: “Sabe monitor, os amigos são como a areia, tão depressa estão em cima da palma da mão como se escorrem por entre os dedos quando mais precisamos deles…” Confesso que fiquei arrepiado e revivi toda essa verdade num ápice. É assim, aqui ninguém é menosprezado, independentemente da posição que ocupe. As lições aprendem-se quando menos se esperam. Este ano foram dois turnos inesquecíveis que fiz. Espero sempre cá voltar, pois sei que já sou da família… à 7 anos!!
Quero partilhar e dedicar este post a um novo grande amigo, o Daniel, Super Dani para os amigos. Com ele aprendi muitas coisas, principalmente a entrega, a confiança, o respeito e o espírito com que encara a vida. Apesar da sua “pequena diferença” é um exemplo para todos nós, pois quando algo se deseja com muita força, não há limites. Força Super Dani!!! Uma saudação especial ao Armando, um camarada de luta, um monitor exemplar e um bom amigo. O braço direito do Super Dani. Até à próxima companheiros e quem sabe mais depressa do que se espera, aqui em Mafra…;)

3 comments:

Lino said...

Que saudades... até à próxima pessoal!!

daniel said...

INESQUECIVEL!! amigos pra vida

Lino said...

E uma jantarada não??