Som da semana: Funke'n'stein - That's Funk!!

Monday, February 25, 2008

SER "ESCRITOR"... (breves considerações pessoais)


Esta é uma homenagem a todos aqueles que, seja qual for a sua relação com a escrita, comunguem do mesmo ideal: A escrita é como um raio de Sol, pode ser ténue e morrer à nascença ou mesmo grandioso e aquecer uma multidão. O que importa é que a chama nunca se apague, mesmo que o calor fique guardado só no interior de cada um. (DrFunkenstein)

Um escritor é como um Deus criador, numa versão light, limitado ao seu mundo de imaginação.
Cria as personagens, inventa os sentimentos, as emoções, controla o tempo, o espaço, a forma, as causas e até as consequências.
Dir-se-á que, lança os mandamentos para colher as reacções. As reacções do leitor. Veste o fato de grande pequeno deus que, com o dom da sua palavra consegue perverter a possibilidade de escolha, de um pensamento comum.
O escritor agita, perturba, assusta ou entretém. O escritor provoca, elucida, informa ou influencia. O escritor esclarece mas também engana. Manipula.
Umas vezes valoriza, outras, marginaliza. Numas é imparcial e consciencioso, noutras pode ser um tal de tendencioso.
O escritor bebe do que o rodeia e dá a beber o que consumiu. O tamanho da sua fonte implica a qualidade da sua água. A água das palavras, que nunca é pura mas sempre adulterada. Ele coloca o açúcar ou o mel, o sal ou o fel. Torna as palavras doces, amargas, ácidas e por vezes insonsas.
O poder da escrita não passa apenas pelo estilo, pela estética ou pela métrica. O poder surge da alma, do espírito, da vontade ou do desassossego! Corrompe, revela, excita e faz ver quem é cego.
Se a uns diverte a outros vicia. Se a uns traz sobriedade a outros inebria. Desde a perfeita exactidão até à mais suspeita utopia.
As palavras do escritor são o código daquilo que conhecemos mas também do que não conhecemos. Do conhecimento da pluralidade ao desconhecimento da individualidade.
Ser escritor é querer deixar uma marca na existência. É descontrolar a necessidade da procura da verdade ou por outro lado, saber controlar uma imaginação desenfreada pela procura do fantasioso, do irreal e do transcendente.

Quando o escritor escreve, algo nasce. Perfeito ou imperfeito é sempre um filho e tal como um pai não o deve rejeitar. Aceita-o, educa-o, escreve-o ou reescreve-o. Também o protege e alimenta com o melhor possível da sua escrita.
Pois seja construtiva ou destrutiva, o que importa é ser criativa!

Ass. Um não-escritor (R.B. – DrFunkenstein)

1 comment:

Eva said...

Para um escritor amador os meus PARABÉNS...pois escreves expondo o teu mundo escolhendo sempre com muito cuidado e determinação as palavras...o que fazes é ARTE, é a expressão de um pensador e critico... voa bem alto com imaginação desafiando sempre os teus pensamentos..:)