Som da semana: Funke'n'stein - That's Funk!!

Saturday, September 13, 2008

Conta-me como foi...

Hoje foi daqueles dias em que inevitavelmente, fui forçado a recorrer às memórias. Começou o ano lectivo e mais uma vez, assisti àquelas cenas que certamente ficarão, tal como eu, na memória de muitos e muitas… a entrada pela primeira vez na escola, vulgo “primária”. Doces anos a meia dúzia! E é especial ver a kiducha da casa também no seu debut. É lindo!
É sempre um momento especial poder observar as caras daqueles minorcas. Uns cheios de entusiasmo enquanto outros de pânico numa combinação perfeita com os respectivos progenitores. Lá se vão arrastando para as salas atrás daqueles que, ao longo de 4 ou mais anos vão ser os seus mestres, amigos, pais, guarda-costas, guias ou ainda… babysitter (pena é que cada vez a cena se repita com mais frequência.)
Ao contrário de há 30 anos atrás os petizes assemelham-se mais a bebés em ponto grande, carregados com pilhas duracell mas sem o necessário controlo de autonomia na programação a que foram sujeitos, antes de serem lançados no mercado. Antigamente a malta saía de casa já com a lição estudada antes de entrar na escola. “Porta-te bem ou levas no focinho, e ai de ti que tenha que ir à escola!” ouvia eu quase todos os dias. E não é que resultava mesmo! Quatro anos depois, estava pronto para a vida. O verdadeiro artista! A “querida” e distinta professora era soberana e a partir daí estávamos à mercê de sua majestade, sem caganeirices. Agora os professores (uma espécie de reprogramadores de miúdos no início de vida escolar) têm pela frente uma tarefa bem mais complicada. Há que ir aos livros de programação, aferir escrupulosamente os passos a seguir e incutir um novo software com várias funções básicas tais como: conseguir ficar sentadinho durante mais de 10 minutos; não interagir com os colegas buzinando constantemente os ouvidos do stôr; evitar fazer xixi nas calças, meter o dedo no nariz ou fazer queixinhas para chamar a atenção. E há aqueles que ainda nem sequer sabem limpar o rabiosque, já para não falar em comer com talheres ou limpar os beiços cheios de chocolate depois de comer o gorduroso Bolicao ao intervalo. Meus amigos, garanto-vos que a tarefa não é fácil. Também um dos problemas que um professor tem que enfrentar, é aturar os paizinhos. Este capítulo exige uma formação especial já que o burgo assume-se como uma das maiores ameaças à qualidade do ar que se respira nas escolas. Sobre este assunto, um conselho é “no mercy” aos progenitores galinha. Aquela guerra é só minha e mais nada! Trata-se de “savoi faire”, ou um espécie de pressão psicológica ao estilo do “Silêncio dos Inocentes”. -Eh lá o gajo é duro, parece que sabe controlar a cena! – dizem os pais já resignados com a sorte do filho, mas já desarmados pelos limites impostos. Mas sempre antes isso que mole, o que dava azo a umas manipulações birrentas dos papás. É que começar com uma derrota em casa a coisa fica difícil pró resto do campeonato. E não é preciso ser nenhum guru da educação ou um Eduardo Sá (des)iluminado para constatar estas cenas vulgares do sistema. Hoje a psicologia é palavra de ordem nas escolas. E se as avaliações psicológicas dos pequenos ditadores se encomendam tal qual os pedidos de um movimentado restaurante da city, também seria recomendável fazê-lo aos fabricantes das peças… A verdade dos factos baseia-se sempre na origem das causas.
Contudo, e felizmente, posso dizer convictamente que os professores são melhores, mais ecléticos, mais atentos, mais capazes, mais interactivos, mais justos e muito mais funcionais. Mas como não há bela sem senão também são mais burocratas, mais resignados, menos cúmplices entre colegas, mais escravos do marketing das editoras e das marcas, mais acorrentados ao sistema. Os tempos são outros é verdade, mas porque tive uma infância “resmas” de feliz num ambiente bairrista da capital da beira baixa, não consigo deixar de me desprender deste saudosismo de época que vai e volta ao sabor dos tempos. Enquanto durar irei sempre ver esta doce imagem, com retratos de inocência e ternura que me iluminam os olhos atentos e continuando a sentir o ensino não apenas com rectidão, mas sobretudo com o coração.

3 comments:

Ana Paula said...

Nem mais. Amei e concordo a 100%.

Nuno Pereira said...

Menos cumplicidade entre colegas de profissão. É efectivamente verdade e lamentável. Mas visto que o ambicionado ordenado e a, pela boca do povo, excelente vida de professor, sobretudo porque estão sempre de férias, levou a que muita gente competisse por tal emprego. Agora com tanta competição imaginária, até se insurgiu um enorme receio de pedir e dar ajuda, umas dicas, uma conversa sincera de café, aos colegas. O mistério é de tal ordem envolvente, que leva a que o professor, fique cada vez mais sozinho, numa época em que as condicionantes socias, requerem aos professores muita articulação, de forma a que o trabalho de docente seja profícuo, esta competição "inventada pelos fazedores de opinião pública" só dificula a vida de cada um. Ainda me lembro de ouvir falar em agentes de acção educativa, estavam todos para o mesmo lado, e não, uns contra os outros, mas isso já sou eu a divagar ou a desabafar, sei lá...

Anonymous said...

Perfect blog page!