Som da semana: Funke'n'stein - That's Funk!!

Monday, September 8, 2008

(Des)articulações da (des)educação

Antes de mais, cumprimentos funkinianos a todos. Cá estou eu novamente, após uma longa pausa de férias e de início do ano laboral, no meu caso, ano lectivo. E enquanto por aí andei de lés a lés por terras lusitanas e assim o orçamento o permitisse (sim, porque vida de professor é difííííííícil), algures num castelo assombrado ministerial, se apurava um doce veneno, a servir aos servos da terrível bruxa má de seu nome Lurdes “maquiavélica” Rodrigues. Confesso que o entusiasmo não foi o mesmo de anos anteriores, e o que faço por paixão há 9 anos não deixa de o ser. Mas é com amargura e raiva interior que me embrenho nos meandros do sistema, onde (apesar do inegável valor dos professores na luta por esta nobre causa) repugna-me o sabor traiçoeiro do veneno que é a Avaliação dos professores neste molde. E não é difícil aperceber-se do nervosismo e da insegurança que paira no ar. É uma missão ingrata quer para avaliadores quer para avaliados, até porque existe demasiada cumplicidade entre colegas nas escolas e agrupamentos, alguns de uma vida de ensino. Nada será impossível, apesar das premissas picuinhas e arrogantes, que estão implícitas na avaliação de desempenho dos docentes.
Como se não bastasse, agora a nova palavra de ordem cá no sítio é ARTICULAÇÃO. Ele é porque temos que articular as actividades umas com as outras, articular currículos, articular anos de escolaridade, articular disciplinas, articular decisões entre grupos, articular interesses, etc, etc, etc. Há uns anos atrás a palavra da moda era INTERDISCIPLINARIEDADE. É o uso da terminologia implícita na evolução do ensino em Portugal no seu melhor. Isto a mim cheira-me a provocações ao trabalho de quem ensina, vindo dos senhores das secretárias na obrigação de produzir mais uns decretos, uns artigos ou uma leis completamente desadequadas a uma sociedade remendada, onde os modelos de outros países se copiam sem critério e sem escrúpulos. Não nos tomem por parvos pois temos consciência destas terminologias e sempre trabalhámos nestas bases, de acordo com os recursos, os meios e os indivíduos ao longo de anos, sempre atentos a mudanças favoráveis e actualizações constantes. Não nos façam sentir estúpidos pois todo este parlapiê não nos intimida nem nos desmoraliza.
Hoje caminhamos num túnel sem luz, desarmados de convicções, como uns verdadeiras marionetas articuladas ao sabor de um governo que usa a educação de forma superficial. Um verdadeiro showbizz de sensacionalismos aos olhos dos menos esclarecidos. Inventam-se “Magalhães” e softwares com verdadeiras negociatas de grande escala, tudo em nome do progresso e das novas tecnologias... Se for para facilitar a vida aos profs, é por os putos atrás do portátil com o software adequado e os gajos aprendem sozinhos. Se calhar assim há mais tempo para perder com a dita avaliação, pois o tempo bem empregue é passado a preencher resmas de papéis. Relatórios de avaliação de tudo e mais alguma coisa, relatórios para salvaguardar o rabo dos ataques da legislação, relatórios para descargas de consciência, relatórios para retirar apoio pedagógico a alunos que disso dependem para progredirem, relatórios que ninguém lê e que no fundo irão parar ao arquivo morto. Parece-me a mim que hoje em dia o professor passa a ser o centro da educação e não o aluno. Se não fossem os constantes ataques ministeriais a esta classe não haveria tanto medo, tanta angústia e tanta necessidade de cada professor construir o melhor "abrigo" que puder e souber…E logo o sinismo e a hipocrisia se fizeram convidados.
Aqui manifesto o meu profundo desagrado pela utilização da arma mais mortífera que um governo, à imagem de uma Europa desigual, utiliza para desmantelar as classes estruturais de um povo, A ESTATÍSTICA em nome da ECONOMIA.
Articuladamente falando, desejo um bom ano lectivo com muita mobilidade nas “articulações”, de preferência sem rupturas, entorses ou fracturas de um sistema que, de certeza, não passava num detector de metais de um aeroporto, pois está cheio de agrafos e de parafusos de platina…

1 comment:

susana said...

Sem palavras...
Tudo bate certo meu caro colega.
Beijos grandes
SU