Som da semana: Funke'n'stein - That's Funk!!

Monday, July 2, 2007

O Funk e as suas origens

O Funk é um estilo bem característico da música negra norte-americana, desenvolvido por artistas como James Brown - o Padrinho (aqui na foto ao lado já no fim de carreira) e por seus músicos, especialmente Maceo Parker e Melvin Parker. Este estilo identifica-se pela irreverência das suas composições, com sensações de libertação e extravagância artística (movimentos corporais eróticos, caracterizações extravagantes e psicadélicas, atitudes positivas com boas vibrações estilo “cool” e muito ritmo).
O que caracteriza o Funk é o seu ritmo sincopado, a densa linha de baixo, o ritmo das guitarras, as potentes vozes de alguns cantores e grupos (como Cameo, ou os Bar-Kays). Também lhe é característico a forte e rítmica secção de metais, pela percussão marcante e ritmo dançante e a forte influência do jazz (por exemplo as músicas de Herbie Hancock, George Duke, Eddie Harris e outros).

Origem do Funk
Os músicos negros norte-americanos primeiramente chamavam de funk à música com um ritmo mais suave. Posteriormente passaram a denominar assim aquelas com um ritmo mais intenso, agitado, por causa da associação da palavra "funk" com as relações sexuais (a palavra funk também era relacionada ao odor do corpo durante as relações sexuais). Esta forma inicial de música estabeleceu o padrão para músicos posteriores: uma música com um ritmo mais lento, sexy, solto, orientado para frases musicais repetidas (riffs) e principalmente dançantes. Funky era um adjectivo típico da língua inglesa para descrever estas qualidades. Nas jam sessions, os músicos costumavam encorajar outros a "apimentar" mais as músicas, dizendo: “Now, put some stank (stink/funk) on it!” (algo como "põe mais 'funk' nisso!"). Num jazz de Mezz Mezzrow dos anos 30, [Funky Butt], a palavra já aparecia.
Devido à conotação sexual original, a palavra funk era normalmente considerada indecente. Até o fim dos anos 50 e início dos 60, quando "funk" e "funky" eram cada vez mais usadas no contexto da Soul Music, as palavras ainda eram consideradas indelicadas e inapropriadas para uso em conversas educadas.
A essência da expressão musical negra norte-americana tem suas raízes nos Spirituals, nas canções de trabalho, nos gritos de louvor, nomeadamente o Gospel e os Blues. Na música mais contemporânea, o Gospel, o Blues e as suas variantes tendem a fundir-se. O Funk torna-se assim numa amálgama do Soul, do Jazz e do R&B.

Da década de 70 à actualidade
Nos anos 70, George Clinton, com as suas bandas Parliament, e posteriormente Funkadelic, desenvolveu um tipo de funk mais pesado, influenciado pela psicodelia. As duas bandas tinham músicos em comum, o que as tornou conhecidas como 'Funkadelic-Parliament'. O surgimento do Funkadelic-Parliament deu origem ao chamado P-Funk', que se referia tanto à banda quanto ao subgénero que desenvolveu.
Outros grupos de funk que surgiram nos anos 70 incluem: B.T. Express, Commodores, Earth Wind & Fire, War, Lakeside, Brass Construction, Kool & The Gang, Chic, Fatback, The Gap Band, Instant Funk, The Brothers Johnson, Skyy, e músicos/cantores como Rick James, Chaka Khan, Tom Browne, Kurtis Blow (um dos precursores do rap), e os popstars Michael Jackson e Prince.
Nos anos 80 o funk tradicional perdeu um pouco da popularidade nos EUA, à medida em que as bandas se tornavam mais comerciais e a música mais electrónica. Os seus derivados: o rap e o hip hop, começaram a espalhar-se com bandas como Sugarhill Gang e Soulsonic Force. A partir do final dos anos 80, com a disseminação dos samplers, partes de antigos sucessos de funk (principalmente dos vocais de James Brown) começaram a ser copiados para outras músicas pelo novo fenómeno das pistas de dança, a House Music.
Nesta época surgiu também algumas derivações do funk como o Miami Bass, DEF, Funk Melody e o Freestyle que também faziam grande uso de samplers e baterias electrónicas. Estes ritmos tornaram-se “combustível” para os movimentos Break e Hip Hop.
Nos anos 80 surge também a variante funk-metal, uma fusão entre guitarras distorcidas de heavy-metal e a batida do funk, em grupos brancos como Red Hot Chili Peppers e Faith No More.

2 comments:

Eva said...

"Funk..relacionado com odor do corpo durante as relações sexuais"" bem !!! Não fazia a minima ideia mas acho que tbm gosto...do funk tá claro...( acho que já vivi naquela época)..Com que então Dr Funkenstein??Humhum...Funk you and feel good always..:)

Anonymous said...

Bom artigo sim senhor! Muito informativo e com bons hiperlinks.